Jibóia come passarinho na agência (sem duplo sentido, por favor).



A primeira vez que eu botei meus pezinhos 34 na agência e vi um monte de verde cercando a casa, falei: este lugar deve estar cheio de cobras! E toda hora que eu passava pelo jardim, era um tormento. Ficava imaginando alguma nessas nojentas rastejantes entocadas me esperando. No 3º mês, assim que subi o 1º lance de escadas, a Érika berrou lá de cima: Anna, corre que tem cobra no jardim! Fiquei tão apavorada que nem Usain Bolt conseguiria me acompanhar. Nesse dia, apareceu uma cobra espevitada marrom na churrasqueira e os meninos espantaram a bicha, que ficou saracotiando pela área, ao invés de tomar o caminho da rua.

Depois disso, soube da existência de uma grande jibóia nas redondezas. Todo mundo da agência já tinha visto, menos eu. Até que um belo dia, eu vinha da manicure cantarolando e olhando distraidamente a paisagem quando a vi esticada a uns 3 metros do carro. Por pouco não passei por cima. Parei o carro, toda assustada. Ela parou também, virou a cabeça e mostrou a língua pra mim. Lembrei do que vivia dizendo: “Se eu encontrar essa jibóia pela frente, eu atropelo”. Fiquei tentada a passar por cima, mas pensei bem e desisti. Pô, ela é moradora antiga, não é venenosa e nem é de atacar as pessoas. Achei a maior sacanagem matar. Desliguei o carro e esperei a folgada acabar a travessia. Ela é bem lerda e muito, muito grande. Deve ter uns 1.75, no mínimo. Quando ela, finalmente, passou para o outro lado, eu segui em frente morrendo de raiva por ter esquecido de trazer a máquina para tirar uma foto dela.

De outra vez, eu vi um desses seres espatifado aqui perto do portão. Já morreu tarde. No outro dia me contaram que o Tony, o espírito de porco do lugar e irmão do coração, pensou em pegar o cadáver e colocar no retrovisor do meu carro. Nem gosto de imaginar a situação. Seriam 2 mortos porque eu faria picadinho dele no outro dia.

Aí fiquei um tempão sem notícias de bichos rastejantes por aqui, até que sexta-feira, um dos funcionários veio todo afobado falando que tinha uma jibóia engolindo um passarinho perto da cerca. Claro que todo mundo da agência desceu para ver. No começo, não consegui enxergar a cobra. Tive que chegar mais perto e só aí percebi que ela era ela, e não um tronco. É muito igual. Apesar de pequena, ela agarrou o pássaro, que devia ser maior do que uma rolinha. Só vi as pernas dele esticadinhas, tadinho. Foi me dando uma agonia e acabei me afastando, mas acompanhando de longe o desenrolar, ou enrolar, da história. Em poucos minutos o pobrezinho estava na pança dela. E dava para ver que ele estava lá. Eca! Comentamos que ela ia ficar sossegada por uns 2 dias, fazendo a digestão. 1 hora depois, ela estava mais próxima da piscina. Sugeri que alguém a empurrasse da árvore pra ela dormir o mais longe possível daqui. Ninguém se prontificou. Mais uma hora se passou quando eu fui mostrá-la ao Luan, nosso estagiário, que tinha acabado de chegar. Olhamos, olhamos e nada dela. Quando avistei novamente, ela estava no lugar de antes, enroscada em outro passarinho. 2 pássaros em 3 horas! Uma cobrinha de uns 50 cm! Uma jibóia bebê. Acho que ela é igual a mim, hiperglicêmica e precisa comer de 3 em 3 horas. Depois ficamos pensando “que passarinhos burros”. Não a viram se aproximar? Acho que ela fica paradinha, bem sonsa e os bestas pousam nela achando que faz parte do galho. Nessa hora ela pimba, dá o aperto.

Eu tô meio preocupada com isso. Pelo jeito ela achou um ótimo lugar para se alimentar e não deve sair dali tão cedo. Os meninos falaram: “mas ela é pequena!”. E eu respondi: “mas ela vai crescer! Ainda mais comendo nesse ritmo. Daqui a pouco tempo é capaz de termos uma anaconda pelo jardim.” Meda!

Ps. Sei que é meio tosco mostrar a deglutição, mas não me contive. rs

7 comentários:

Flávia D. disse...

Eu nunca, nunca poderia trabalhar num lugar desses...só sei lidar com as cobras de duas pernas...hauahauaha...essas aí não dou conta não...
bjão

disse...

ai ai ai,,,,, medo!!!!!

morri de dó desses passarinhos.... odeio essa cadeia alimentar. rs


bjos

K. disse...

Hiperglicêmica é ótimo!!! Manda ela lá prá casa que faço miojo antes dela ir prá faculdade...hahahah...Beijos.

Paula disse...

Olha, eu tenho pavor de bicho que rasteja... Pânico mesmo. Nem foto eu conseguiria tirar...

beijos

ps. não tive coragem de assistir a deglutição...

carlosholzz disse...

como ja te disse......ODEIOOOOOOOOOOOO cobra.........nao gosto nem de ver na tv........boa sorte....e trabalha com as pernas pra cima......pq ela pode se enrroscar nas suas pernas....a qualquer momento.......uiiiiiiiiiiii

Gabi disse...

ai odeio tb!!!!!!
me dá pavor, ânsia, desespero.....
não consegui ver nem as fotos nem o video........affffff

Muñeca disse...

Pronto, afinal ir morar para o Brasil já não é o meu sonho!

Cobras, serpentes, jibóias, cruzes credo, lagarto lagarto, nem de perto nem de longe!!!! Iiiaaaaacccc!!!!!

És muito corajosa em atravessar esse pátio todos os dias!

Beijocas,

Muñeca.