Vou ali e volto logo. Ou não.

No começo me faltava o computador. Depois, a internet. Agora me falta a vontade de escrever aqui. Me sinto uma folha de papel maculada por tintas de canetas rasuradas e marcas que as borrachas vagabundas deixam quando apagam lápis. Vou me afastar por um tempo do meu blog, sem deixar de visitar os www dos amigos. Mas não precisam fazer um cafezinho. Só passarei para ver se estão bem.

E-contos, Gato Sabido - O livro nasceu!

Sabe quando você entra num concurso só para ver no que vai dar? Foi assim a minha inscrição para o Concurso da Gato Sabido. Li sobre a oportunidade e depois acabei esquecendo. Só nos últimos minutos do 2º tempo que lembrei e decidi, aos trancos e barrancos, participar. Inspirada pelo Dia dos Namorados e, consequentemente Santo Antônio, escrevi meu continho na hora do almoço, deixei descansar até o café da tarde e enviei no começo da noite, com algumas alterações. O mês demorou muito a passar porque fiquei ansiosa esperando o resultado. Como você pode imaginar, quase tive um treco de felicidade ao ver meu nominho entre os ganhadores.

O lançamento do e-livro foi na Bienal Internacional, em SP. Infelizmente, não pude ir, mas tudo bem. Quem quiser comprar, por favor, entre aqui. Custa baratinho, só R9,90. Nós, os ganhadores, vamos levar 20% das vendas. Ou melhor, vamos dividir 20% das vendas. Então, compre pra você e pra dar de presente. Distribua por aí! Ajude uma pobre aspirante a escritora! rs

Ps. Depois de comprar, por favor, escreva dizendo o que achou do Santo Antônio.

São Paulo


Muitas saudades de São Paulo.

Imensas saudades dos meus amigos de São Paulo.

Gigantes saudades de mim, quando estou em São Paulo.

Mudança de emprego

Ela tinha 7 anos novamente. E se sentia como a filhinha de um militar que estava para mudar de cidade. Pior. Mudar de país. Estava sentada em sua cama, com a malinha vazia ao lado e as lágrimas rolavam pelo rosto. Não sabia por onde começar. Desejava que tudo fosse um grande engano, um enorme mal entendido e que tudo continuasse onde deveria estar. Aquele era o seu mundo. Agora, teria que aprender outra língua, conviver com novos hábitos, desfazer novamente as malas, ter bons modos.



Levantou vagarosamente da cama, querendo adiar o inevitável. A cada gaveta aberta, dentro dos armários revirados, encontrava uma lembrança para deixar a despedida ainda mais dolorosa. Os amigos continuariam amigos e sabia que sempre poderia contar com eles, mas não seria a mesma coisa que estarem juntos diariamente no playground. Queria continuar trabalhando com eles, gargalhando com eles, ouvindo as músicas, conversando sobre os filmes, trocando confidências, brigando por causa do poker e do café da tarde. Falavam a mesma língua apenas com os olhos. Riam juntos. Destilavam venenos juntos. Sonhavam juntos. Há três anos, quando ela chegou à agência do amigo do peito, com uma tatuagem recente na nuca, estava pronta para tudo. Menos para ir embora.

Garota de 13 anos é estuprada por ex-namorado de 14 anos e amigos em Floripa.

Ontem soube de um caso horrível que aconteceu em Floripa há uns dias. Três adolescentes estupraram uma garota de 13 anos, virgem, ex-namorada de um deles.


O caso só veio realmente ao conhecimento público por causa do Hamilton Alexandre, blogueiro, que fez questão de divulgar o horror da situação.


A pergunta: por que um caso assim ficou tanto tempo fora das grandes mídias?

A resposta: 1 dos garotos leva o sobrenome Sirotsk, filho do dono da RBS TV, afiliada Globo de Santa Catarina; e o outro é filho de um delegado.



Assisti, estarrecida, o moleque se vangloriando da situação, se achando inatingível e superior a qualquer tipo de punição que poderia sofrer.


Mas o pior de tudo foi a posição de um delegado questionando a realidade da situação porque não presenciou a cena, mesmo com o laudo confirmando os inúmeros machucados sofridos pela mocinha. Eu queria ver se tivesse acontecido com a filha desse ordinário. Será que ele ia ter alguma dúvida sobre a verdade?


Pior de tudo é saber que nada vai acontecer com os moleques, nem com o delegado que deu essa infeliz declaração. Pior é saber que nem a tal medida socioeducativa vai acontecer. Pior é saber que esse desgraçadinho vai crescer agindo como se fosse o dono do mundo, sem que nenhuma medida drástica seja tomada. Pior é ter certeza que mais casos desses vão acontecer e ninguém nunca será punido aqui no Brasil.

True Blood


Eu jurei a mim mesma que não ia ver este seriado até acabar a última temporada. Afinal, eu tô tentando escrever alguma coisa que preste e não disponho de tanto tempo para isso. E, me conhecendo, eu sabia que se começasse a ver este seriado de vampiros, só ia parar quando acabasse. Bingo. Caí na besteira de levar as 2 primeiras temporadas para casa e passei o finde inteiro hipnotizada pelos vampiros. Já tô quase acabando a 2ª Temporada e com mais olheiras do que o Eric, o vampiro gostosão.


Para quem gosta de filmes de vampiros, a série é muito, muito ótima. Estou adorando!


Tudo começa 2 anos depois que cientistas japoneses desenvolvem 1 sangue artificial, o que permite, teoricamente, que os humanos deixem de fazer parte do menu dos dentuços. Os aparentados de Drácula passam a dividir as ruas com as pessoas. A sociedade se divide. Algumas pessoas gostam dessa nova realidade, outras não.


True Blood mistura romance, medo, drama, comédia e muita sensualidade. Erotismo puro. Mal posso esperar para chegar em casa para acabar de assistir a 2ª Temporada. A 3ª eu só verei depois que acabar.


Para quem não conhece ainda pode conferir a abertura, que é perfeita.


Ps. Meninas, alguns vampiros fazem o sangue ferver. Ui!

Uruguai X Gana: Tem mão pra que?

Estava vendo os últimos 3 minutos do segundo tempo da prorrogação de Uruguai e Gana e aconteceu um lance que tinha discutido muito com alguns colegas homens aqui da agência.

“Se eu fosse jogador e se a bola fosse entrar, eu metia a mão nela FÁCIL.”

Eles: Mas você ia ser expulso?

Eu: Ao menos meu time ainda teria uma chance.

Nem lembro direito se concordaram comigo, mas minha teoria foi confirmada nesse final de jogo. Alguém viu? Imperdível.

No último minuto, foi um vucu-vucu dentro da pequena área. Um chutava, outro defendia, quando a bola veio para encher o gol, Suárez defendeu com a mão e tomou um cartão vermelho. Pênalti para Gana. Gyan conseguiu acertar o travessão. O time do Uruguai foi a loucura.

Vai perder, pensei. E perdeu.


Conselho para Kaká

Kaká, lindinho.

Você rendia mais em campo quando xingava menos. Então, querido, volte a gritar “Glória a Deus”, “Obrigado, Senhor”, “Me dê paciência, Jesus” porque esse negócio de bad boy não te deu sorte. E olhe que este conselho está vindo de quem, às vezes, precisa limpar a boca com Limpol.

By Bye, Brasil.

Aconteceu o esperado, infelizmente. Os nossos jogadores estão arrumando os paninhos de bunda para voltar pra casa. A parte boa é que não fomos despachados pela Argentina. E por falar nela, amanhã serei alemã desde a encarnação passada.

Corujas

Ontem, logo que eu soube do resultado do concurso, liguei lá pra casa e contei a mamãe e a vovó. Elas ficaram tão felizes, tão animadas, tão esfuziantes, que por um momento pensei ter levado o Nobel de Literatura.

Conto Premiado pela Gato Sabido


Eu participei de um concurso de contos no mês passado e sou 1 dos 40 ganhadores. Infelizmente ainda não poderei postar porque o livro digital (E-CONTOS) será lançando somente em agosto, na 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, no estande da Gato Sabido, e acho que não posso publicar antes (angústia!). Estou aguardando um contato para saber se ficarei milionária. Ok, uma passagenzinha para o dia do lançamento já ia me deixar feliz da vida!


Ps. Cada e-livro vendido pelo site da Gato Sabido vai gerar uns dinheirinhos pra mim. Então, caso decida comprar, por favor, compre pelo site. Ficarei muito agradicida.

Avatar

Ao contrário do verde catarro, do azul cueca e do amarelo diarréia, sempre achei esse azulão bem estiloso. Mas confesso que demorei muito a ter coragem de experimentar. Sinto como se tivesse mergulhado as pontas dos meus dez dedinhos numa carga da Bic. Gostei.

Max On, Fuck Off – Ralph Macchio, ex-Karatê Kid

Como uma estrela cadente, ops, decadente, faz para voltar aos holofotes? Álcool, drogas, sexo e muitas confusões fazem parte da estratégica do mocinho que tenta ser bad boy.


Vale muito a pena conferir o trailler de Max On, Fuck Off. Não achei legendado ainda. Só consegui entender quase tudo graças aos meus amigos da agência. Tomara que o básico do inglês acabe logo. Imperdível.

Brasil X Costa do Marfim – Regado a caranguejo

A impressão que eu tive era que outra seleção estava em campo. Não pelo grande brilhantismo, mas pela disposição e vontade de ganhar. No jogo passado, os caras me pareceram com preguiça de correr. Cheguei a pensar que eles estavam sem receber o salário e resolveram fazer operação tartaruga.


A nova disposição deles me contagiou. Ou melhor, contagiou todo mundo que estava na Caranguejada da TV Capixaba, vibrando, xingando, gritando, quase sentindo os chutes que o malditos rivais distribuíram a torto e a direito. Obrigada, Gabi, por ter me levado para ver o jogo num telão enorme, comendo várias puãs e no meio de uma torcida bacanérrima. Para ter sido perfeito, só confiscando as malditas vuvuzelas que alguém teve a infelicidade de distribuir.

Utilidade Pública – Pastoral da Saúde da Igreja Católica

Muita gente já deve ter ouvido falar das Pastorais, mas poucas sabem da abrangência do trabalho desses voluntários que são incentivados pela Igreja Católica. A mais conhecida é a Pastoral da Criança, fundada pela médica pediátrica Zilda Arns. Nem entrarei no mérito do que essa mulher representou para todo o mundo, ou este post não vai acabar nunca.


Eu e a minha família conhecemos de perto essa entidade na época em que meu avô faleceu. Vovó começou a entrar em depressão e durante uma conversa com uma vizinha voluntária, descobrimos a Erva de São João. Depois de alguns dias tomando as gotinhas, a melhora foi considerável. A partir daí, visitamos o lugar e descobrimos como o negócio é levado a sério. Os remédios (fitoterápicos e homeopáticos) são preparados pelos voluntários, que são treinados por profissionais durante vários meses e passam por uma reciclagem de tempos em tempos.


Além da Erva de São João, outros remédios já foram testados lá em casa, como o “combo” sinusite. Tia Lacy estava numa crise danada e depois de passar por 2 médicos e gastar um rim em medicamentos, resolveu dar uma passadinha na Pastoral. Depois de ouvir o problema e saber o histórico de saúde (se tomava remédio controlado, pressão, etc.), receitaram 3 remedinhos: 1 para pingar na água. 1 para cheirar. 1 para pingar no nariz. Ela usou 2 vidrinhos de cada. Podem não acreditar, mas a crise dela passou e nunca mais voltou. Isso faz mais de 7 anos. E a Pastoral da Glória ainda estava engatinhando. Eu estou usando um creme no calcanhar. Mesmo fazendo o pé de 15 em 15 dias, passando esfoliante e cremes, o danado andava mais grosso do que muro chapiscado há um tempão. Agora, duvido o neném que tenha a bundinha tão macia quanto meu ex-calcanhar de Aquiles.


Mamãe está fazendo drenagem por R$ 15,00, uma amiga dela faz acupuntura, outra consulta com um psicólogo... a lista de voluntários é enorme e diversificada. Os voluntários também vão aos hospitais e as casas das pessoas.


A Pastoral, graças a Deus e aos voluntários, cresceu muito pelo Brasil e multiplicou os serviços. Os preços continuam mais do que honestos e muito acessíveis a todos os que precisam. Deve ter alguma perto de você.


Lá em casa ajudamos com algumas contribuições, juntamos garrafas de vidro e devolvemos embalagens para serem usadas novamente. Tenho certeza de que um dia vou trabalhar como voluntária na Pastoral. Vai ser bom pensar que não vim a este mundo somente a passeio.


Ps. Aqui tem algumas informações sobre o trabalho da Pastoral. Acho que vale a pena conhecer.

Saramago


"Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia"


Saramago




E o meu está sangrando agora, Saramago. Vá em paz.

Brasil X Coreia do Norte – O choro de Jong Tae Se

Quando o Hino da Coreia do Norte começou, vimos o atacante Jong Tae Se, conhecido como Rooney, quase desidratar de tanto chorar. Mas o que todo mundo não sabe é que ele não chorava de emoção. Ele tava era pensando nas famílias dos jogadores que o fofo Kim Jong-il, certamente, deve manter em cárcere privado. Afinal, o ditador – sempre tão gentil – precisa incentivar o esporte. Um medo daquele homem, gente.


Ps. Claro que isso é uma brincadeirinha, viu, Kim Jong-il? (melhor garantir, né?)

A Copa do Mundo é nossa?

Contrariando todas as leis da natureza leonina, quero muito estar errada sobre a nossa seleção nesta Copa do Mundo. Acho que não passa das oitavas de final. E isso vai se confirmando todas as vezes em que ouço os repórteres torcendo para que o Brasil pegue um time fraco pela frente. De que vale ganhar de quem não sabe jogar? De que vale ser o melhor entre os piores? Se bem que depois de ontem, tá perigando nem isso acontecer.



Beijo bom

Beijo bom é o beijo que diz mais que palavras. Os dois falam a mesma língua quando elas se enroscam. A saliva esquenta o sangue, ferve os pensamentos, incendeia o corpo. Beijo bom é o beijo que encaixa de primeira e provoca segundas intenções. A respiração acelera o pulso e o impulso faz dois virar um. É o beijo que pára o tempo e vira eternidade. Fica eternizado.

Alluda Majaka

Preciso confessar: tenho uma queda por coisas ridículas. Me divirto horrores com cantores, filmes e outras coisitas que, de tão ruins, são ótimas. Esta semana vi uma das maiores pérolas de todos os tempos: Alluda Majaka, que até agora não descobri se é o nome do mocinho. Mocinho não, porque o cara se formou na mesma escola que o Chuck Noris e tem até um bigodão. Se o tosco diverte você, prepare-se para entrar no fã clube do Chiranjeevi.


Nem o Capitão Nascimento poderia segurar


O trator saltante


Ps. Os vídeos mais longos estão aparecendo cortados do lado direito no meu blog. Para ver melhor, clique aqui, e aqui. Alguém sabe como faço para não cortar mais? :o(

Comercial da Nike, Copa de 2010.

As boas propagandas sempre me hipnotizaram, me divertiram, me emocionaram e até já me fizeram chorar de tão incríveis. A nova da Nike, inspirada na Copa do Mundo, é uma obra prima. Quando eu crescer, quero ter um cliente assim, com uma verba assim e um talento assim também, claro.

Mascotes

Eu adoro mascotes. Aquela coisinha fofa que nos aproxima mais da marca a ser anunciada. Nunca fui de colecionar nada, mas taí, eu poderia ter uma sala abarrotada de mascotes. Quem não conhece o Micha, o ursinho que chorou no final das Olimpíadas de Moscou? Ou o homenzinho azul que carregava os cotonetes da Johnson pra lá e pra cá, deixando a toalha cair no final? Tem o Lequetreque, da Sadia; a Mulinha, do e-mule; a esponja Assolan; o Pinguim, da Linux; Tony, da Kellos; o Baianinho, das Casas Bahia; o Eddie, do Iron Maiden (que não é fofo, mas tem muita personalidade) e tantos outros que caíram no gosto popular. Estou escrevendo isso tudo porque acabei de ver, e postar abaixo, o filminho de apresentação das mascotes das Olimpíadas de Londres e ainda não decidi se gostei.

Mascotes das Olimpíadas de Londres

Urso Micha – Olimpíadas de Moscou

Como você vai ver, não foi só ele que chorou. Lindo demais.

Homem Azul da Johnson & Johnson (Cotonete)







O doce não era mais o mesmo

Ela, a pessoa, estava confusa e até um pouco desapontada. Só tinha provado o primeiro Beijinho porque a cara lhe parecia boa. Grande, bem feito e o cheiro gostoso abriram o apetite. Ou melhor, o desejo. Saboreou devagar, sem pressa. Rolou o doce pela boca, experimentando com a língua, mais sugando do que mastigando, até deslizar pela garganta. Um orgasmo oral que atiçou a gula, a luxúria e teve gosto de quero mais. Então, algo estranho aconteceu. Aquele Beijinho não era como lembrava. Ela, a pessoa, sabia que o gosto era ótimo porque tinha experimentado há pouco tempo, mas havia algo diferente na forma. Talvez a cor não fosse a mesma, a textura estivesse estranha, ou quem sabe enrolaram do jeito errado. Não agradou. O fato é que a vontade que estava devorando a pessoa, tinha passado ao ver o novamente o doce... que ficou meio amargo.

Um note pra chamar de meu

Enfim, eu comprei! Depois de praticamente 1 ano sem computador em casa, precisando contar com a caridade alheia de Rafa, Ana e Tony, agora eu tenho o meu próprio notebook: Dell Inspiron 15, vermelhinho, a coisa mais linda do mundo, batizado de Hell Boy pelo Tony.


Durante esses quase 12 meses senti mais falta de escrever do que acessar a internet. E, por enquanto, continuarei off do mundo virtual. Mas comecei a aquecer os dez dedinhos no teclado.

Explicação rápida e real para o taxista

Diferente de quando viajo, eu quase não pego táxi quando estou por aqui. Adoro conversar com taxistas. Imagina um cara que leva e traz gente do mundo inteiro? Quanta história para contar. Eu, curiosa que sou, pergunto e eles sempre contam.


Mas dia desses, a coisa mudou de figura. Assim que as meninas desceram do carro, o taxista me bombardeou de perguntas. Gente, passava das 3 da madruga, eu sozinha e louca pra dormir, tendo que falar. E olha que eu gosto de falar de mim. Coisa de leonina. Quando estava a uns 300 metros de casa, a pergunta final:


Ele: Você trabalha em que?

Eu: Sou publicitária.

Ele: E qual o trabalho de uma publicitária, exatamente?

Eu: Pára aqui, moço. Bem, meu trabalho é fazer você ter vontade de comprar. Tchau, vai com Deus.

Ele: Fique com Ele.


Bati a porta do táxi e ele só foi embora depois que eu entrei. Delicado, ele. E acho que ainda estava com a mesma cara interrogação de quando me despedi.

Contradição

Desde que eu tinha uns 17 anos, todas as vezes em que perco uma noite na esbórnia, eu ganho uns anos a mais na cara. A parte boa é que ela, a cara, volta ao normal depois que durmo bem. E as baterias, essas ficam recarregadas por tempo indeterminado.


Ps. Mesmo não gostando muito das bandas, me diverti demais no Vitória Folia. Confesso que muito mais do que esperava.


Tem companhia pra hoje?

O programa para hoje já estava combinado comigo mesma: academia, banho de 2 horas e fim da novela ruim. Depois, um filminho, pipoca, guaraná e brigadeiro de colher. Tudo muito zen, muito tranquilo, muito introspectivo. É que, às vezes, eu gosto de ficar quietinha no meu canto, curtindo a minha própria companhia. E hoje era este dia. “Era” porque a programação foi totalmente alterada com a chegada de um abadá para o camarote de A Gazeta, no tal Vitória Folia, que eu já tinha avisado “não ir nem desencarnada”. Não pensei 2 vezes. Desmarquei comigo e marquei com outras amigas. Afinal, devolver presente é falta de educação. Só por isso.

Cafonice: Vizinha fofoqueira

Há uns anos, fui a uma festa de aniversário diferente. A aniversariante estava fazendo 30 anos e queria comemorar de um jeito pouco convencional. Então, resolveu fazer uma festa cafona. Eu adorei, claro. Depois de pensar em várias combinações medonhas, descobri que uma amiga tinha o vestido certo para a ocasião: branco, usado na festa de 15 anos, há mais de 15 anos. Imagina o nipe. Mas como tudo ainda pode piorar, combinei o cinto dourado de cobra de mamãe (ela tentou me convencer que ele já foi lindo), com a carteira dourada e muitos colares igualmente douradinhos. A sandália era branca enfeitada por singelas florzinhas. Tudo combinandinho. Coisa para arrepiar os cabelos do Esquadrão da Moda.


Na hora marcada, Fernando e Carlos passaram aqui para me buscar. Os dois estavam de paletó com ombreiras e cabelinho grudado na cabeça. Distintos. O problema é que resolveram me esperar do lado de fora do carro e eu queria sair de casa sem ser vista pela vizinhança. Desci correndo as escadas sussurrando e gesticulando: “Entrem no carro! Entrem no carro!”. Antes de passar pelo portão, olhei para os dois lados me certificando que ninguém me veria daquele jeito. As luzes das casas estavam apagadas. Ufa. A festa foi ótima e me diverti muito.


Na 2ª feira, mamãe chegou em casa dando gargalhadas.


Ela: Quando você saiu no sábado, você viu alguém?

Eu: Não, graças a Deus.

Ela: Acabei de encontrar com Fulana na rua, aquela que mora aí na frente.

Eu: E aí?

Ela: E aí que ela falou assim.

Vizinha: Sua filha casou, né?

Mamãe: Não. Por quê?

Vizinha: Porque ela saiu toda de branco no sábado.

Mamãe: Ahhh, não. Ela foi numa festa.

Vizinha: Vestida de noiva? E eu ainda vi os 2 padrinhos esperando por ela.

Mamãe: Não, não. Eles estavam indo pra uma festa do cafona.

Vizinha: Festa do cafona? Mas eles estavam tão alinhados!


Não sei o que mais me surpreendeu: o fato de ser vista pela fofoqueira, ou ela ter achado que estávamos alinhados. Meda.

1º de maio, feriado?

Eu adoro a minha profissão. Tenho prazer em vir trabalhar na agência. Mas ficar, às vezes, em casa de bobeira também é uma delícia. Agora me fala: do que adianta um feriado se ele vai cair bem no final de semana?

Hoje é Dia de São Jorge

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal.

Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.


Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos.


Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós.


Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo. São Jorge Rogai por Nós.


Salve, Jorge!

Vitória = Núcleo de Novela

Eu vivo falando que o ES é igualzinho a núcleo de novela: sempre vai ter alguém conhecido que estudou com Fulano, ou é vizinho de Beltrano, ou ainda cunhado de Sicrano. Não adianta. Não dá pra passar totalmente anônimo aqui. E ontem tive mais uma prova disso. Fui num churrasco de aniversário do Fábio, marido da minha amiga de Brasília, próximo à Pedra da Cebola. Lá encontrei uma cunhada deles, que já conheço há muitos anos, mas nunca tínhamos conversado antes. No meio da rodinha, comecei a contar de Noronha. Noronha isso, Noronha aquilo.


Ela: Você foi quando?


Eu: 1 semana antes do carnaval.


Ela: Jura? 1 amigo foi na mesma época!


Eu: Fiquei lá até quinta, depois fui pra Natal, depois pra Olinda.


Ela: Gente, mas a história é igual! Ele até falou do tal do swell, também!


Eu: Nossa, então deve ter sido na mesma época.


Ela: Qual o nome do seu amigo?


Eu: Carlos.


Ela: Carlos Holzz?


O próprio. Eles se conhecem há 1 século e não sabíamos dessa ligação. Ao mesmo tempo que dá uma sensação de aproximação, além de aumentar a roda de amigos em comum, rola um certo desconforto de você fazer alguma merda e o negócio se espalhar mais rápido do que se fosse capa de Contigo.


Mas isso não acontece apenas com quem mora em Vitória. Para fazer parte do núcleo, basta um mínimo contato com alguém daqui. Descobri que a Cláudia é parente da Nana, que conheci numa reunião de despedida de uma amiga que foi pra Santos.


Outro caso impressionante foi o Marco, um cara de Brasília que conheci na net há uns 8 anos, acho. Eu ia para lá e a Sabrina não é muito de sair. Logicamente, tratei de fazer amizades meses antes de viajar. Há uma semana da partida, a descoberta: a irmã dele já tinha estudado com essa minha amiga.


Já aconteceu tanta coincidência, tanta, que nem tenho coragem de contar aqui. Abafa. Confesso que me dá medo quando alguém começa a fazer muitas ligações. Podem ser ligações perigosas.

Escapulário

Podia ser na praia, no cinema, em coquetéis, boates, casamentos, trabalho, não importava, apesar da cordinha, ele estava sempre pendurado no meu pescoço, pode olhar nas fotos deste blog. Ganhei meu escapulário num lugar muito especial: 2008, 2º dia do carnaval de Salvador, quando cheguei no camarote do Othon. Enquanto os meus amigos receberam o mesmo santinho dos 2 lados, o meu tinha 2 proteções: Jesus e Maria. Coloquei a imagem Dele atrás e a Mãe na frente e assim ficaram até semana passada, quando a cordinha quebrou na hora em que tomava banho. Pode parecer maluquice, mas eu me sentia mais protegida com ele. Sinto falta de segurá-lo em vários momentos. O problema é que não dá para simplesmente ir ao Convento e comprar outro. Escapulário tem que ser presente. Espero que algum amigo leia este post.

Ps. Adoraria receber um de presente, sim. Posso mandar meu endereço por e-mail: annokas73@gmail.com

Obrigada, gente!

Vender rifa é sacanagem

Meu amigo Tony, que é diretor de arte, joga Futebol Americano e recebeu um pedido para fazer a logo de um time rival mineiro. Resolveu aceitar. Para levantar a grana, os jogadores tiveram a ideia de fazer uma rifa. Mas pô, a maioria das pessoas corre só de ouvir a palavra RIFA. Rifa lembra aqueles guris que arrecadam dinheiro para as festinhas da escola, ou os formandos para a festa do final do curso, isso sem contar na tal rifa entre amigos. E os prêmios? TV, DVD, Bike, no máximo uma motinha, tudo sem a menor imaginação. É por isso que a rifa desses caras tá fazendo o maior sucesso. Como futebol americano é um esporte bem masculino, eles resolveram inovar e fizeram uma rifa igualmente masculina. Pagando 5 reais, os compradores vão concorrer a umas horas num motel levando 2 garotas de programa alto nível. Do jeito que está bombando, além da logo, vão conseguir fazer banners, papelaria, trocar o uniforme de todo mundo e, quiçá, contratar o Tom Brady. Só resta saber o que as esposas e as namoradas estão achando dessa criatividade toda.

Ps. Imagem ilustrativa.

Sequestro Relâmpago – o bandido entrou numa roubada


Eu juro que se não tivesse ouvido e visto tudo pessoalmente, nunca acreditaria nessa história, de tão irreal. Os meninos da agência são umas pestes de atentados. É incrível como fazem piadas com tudo. São mestres em transformar tragédias em comédias. Foi para esses caras que os bandidos tiveram o azar de ligar com o golpe do sequestro relâmpago.


1ª Ligação foi para R., que estava na rua.

Bandidos se passando por mulher chorando: Socorro! Ahh, me pegaram! Me ajuda! Ahhh!

R. (surpreso): Oi?

Bandido: Aí, mermão! Tô com a sua esposa aqui!

R. (calmo): Han?

Bandido: Sua esposa! Tá sequestrada! Nós pegamos!

R. (amolecendo a voz): Mas como amigo? Eu sou gay! Não gosto dessa fruta, não!

Cri Cri Cri (grilos no silêncio)

Tu Tu Tu (telefone desligado)

R. se acabando de dar risadas.


2ª Ligação foi para L., que estava ao meu ladinho. Foi tudo no viva-voz.

Bandido se passando por mulher chorando: Socorro! Ahh, me pegaram! Me ajuda! Ahhh!

L. (surpreso): É trote! É trote!

T. (animado): Deixa eu falar, deixa eu falar!

Bandido: Presta atenção: eu peguei a sua filha.

T.: O que foi?

Bandido: É isso mesmo, babaca! Eu tô com a sua filha sequestrada e vou acabar com ela se você não me der dinheiro!

T.: Não! Fica calmo! Quanto você quer? Vamos resolver tudo.

Bandido: Eu quero 15 mil reais.

T.: Mas é muito dinheiro! Não tenho essa grana toda, não!

Bandido: Eu mato ela, heim! Eu mato! Tô com uma faca no peito dela! Eu furo ela todinha! Corto ela e mando ela toda picada pra você.

T.: Calma, calma! Não faz nada com ela, não!

Bandido: Então não me fode. Dá um jeito de arrumar a grana.

T.: Tudo bem.

Bandido: Onde você tá?

T.: No Centro de Vila Velha.

Bandido: Então pega o dinheiro e me encontra em Vitória. Você vem de carro, ou de ônibus?

T.: De carro.

Bandido: Vai chegar em quanto tempo?

T.: 15 minutos.

Bandido: Então entra logo no carro.

T.: Já tô nele.

Bandido: Tá nada, mermão! Eu vou matar ela, heim! Eu mato! Corto ela toda!

T.: Calma, não faz nada com ela, não!

Bandido: Então para de enrolar, seu filho da puta. Eu acabo com ela!

T.: Então deixa eu falar com ela de novo. Quero saber se ela tá bem.

Bandido se passando por mulher chorando: Socorro! Ahh, me pegaram! Me ajuda! Ahhh!

T.: Tá vendo sua piranha! Eu falei pra você largar aquele ladrão daquele seu namorado! Aquele traficante filho da puta. Agora se fode aí.

Mas ninguém ouviu nada disso porque a parte do choro é toda gravada.

Bandido: Anda, agora vem logo. Ou tô com a faca aqui no peito dela, heim!

T. (gritando e batendo em tudo): Agora você perdeu! Eu que peguei sua filha, mermão!

Bandido (cauteloso): … pegou não...

T.: Peguei sim. Agora é assim: você devolve a minha filha, que eu devolvo a sua. Eu tabém sou do crime. É olho por olho, dente por dente.


O bandido desligou e ligou imediatamente para o próximo número, que é do celular do B. TR. pegou o telefone para se divertir um pouco.


Bandido se passando por mulher chorando: Socorro! Ahh, me pegaram! Me ajuda! Ahhh!

TR.: Alô? Quem é?

Bandido: A parada é a seguinte, mermão. Tava fugindo da polícia e peguei sua mulher de refém!

TR.: O que? Onde você tá? Deixa eu falar com ela!

Bandido: Não, não! Tô com 1 amigo baleado e eu quero dinheiro agora! Se vira!

TR.: Mas você quer quanto?

Bandido: 5 mil.

TR.: Pô, 5 mil? Tá bom.

Bandido: Onde você tá?

TR.: Em Vitória.

Bandido: Você vai no banco?

TR.: Não. Eu tenho essa grana comigo. Isso não é nada.

Bandido: Beleza. Mas tem que chegar aqui rápido, ou a gente apaga ela. Tamo com um dispositivo no coração dela. Vamo apertar e ela morre se você demorar.

TR.: Mas olha só, eu sou um empresário e tenho um sócio que tá me dando problema. Depois que eu te pagar, você não quer fazer um serviço pra mim? Tô afim de passar esse cara.

Bandido: Não vem de onda pra cima de mim, não, seu filho da puta. Eu mato ela.

TR.: Calma, cara. Mata, não. É só um negócio que eu quero fazer. Tá afim, não?

Bandido: É, é. Vamo vê isso depois. Mas traga logo a grana. Entra logo nesse carro.

TR.: Tô indo pra lá. (fingindo que tá falando com alguém): O cara, já fez o que te mandei? Porra, você é muito incompetende! Tô saindo agora. Vê se resolve isso!

Bandido: Você tá de onda, mermão! Eu vou matar ela! Acabo com ela!

TR.: Calma que já tô indo pro carro.

Bandido: Vem sozinho!

TR.: Tô com a minha amante aqui.

Bandido: Larga ela, rapá! “falando com outro cara) Ô Zé Cicatriz! Amarra ela! (Cicatriz respondeu).

TR.: Zé Cicatriz? Cara! Você é amigo do Cicatriz??? É meu brother! Deixa eu falar com ele.

Bandido: Anda logo, filho da puta!

T. (o outro T. entrou na conversa): Cara! Você quer me fuder!

Bandido: Quem é?

T.: Sou o do sequestro passado! Você pegou a minha filha, e eu peguei a sua!

Bandido: Quem?

T.: É isso aí, mermão! Eu ia fazer o serviço pro cara e você passou na minha frente? A gente do crime não pode fazer isso, não! Tem que se unir!

Bandido mudo, calado.

TR. (pegou de novo o telefone): Relaxa! Mas tô conhecendo a sua voz. Você conhece o Mário?

Bandido (rindo, acho que ele também tava no viva-voz): É parente do Naldo?

TR.: Amigo do Sunda?

Risada geral e a bandidagem, rindo, desligou o telefone.

* Isso tudo demorou quase 1 hora. A história se alongou muito e eu resumi. Estou até hoje com as bochechas doendo de tanto gargalhar.


Vamo quebrar tudo!

Minha casa está, novamente, parecendo um canteiro de obras. Desda vez o alvo foi o piso que estamos trocando. Mas como uma coisa puxa a outra, aproveitamos para colocar abaixo o murinho horroroso da cozinha, os azulejos e os vasos do banheiro. E não acabou. Nos desfizemos da geladeira pré-histórica, da minha cama e do sofá gigante. Isso já tem quase 1 mês. 1 mês de bagunça, coisas fora do lugar, pueira, barulho. Mas o pior do tudo é 1 mês ouvindo o som emitido pelo radinho do pedreiro. Ó céus!

Isabela Nardoni

Sabe o que eu mais queria neste caso? Que existisse a tal 3ª pessoa que eles tanto falam. Não acho que ela exista, mas queria muito que fosse verdade. Porque o que não dá para acreditar, o que deveria ser a grande mentira é o fato do pai ser um monstro capaz de jogar a filha pela janela, depois dela ser agredida pela atual esposa.

Tudo Azul

O final de semana prometia. Uma promessa que pairava no ar há um ano. O céu estava sem nuvens. O mar estava agitado. Mas nenhum dos dois tinha o azul tão profundo quanto a cor dos olhos dele. E ela mergulhou de uma só vez. Sem fôlego. Sem pensar. Sem pressa.

A pior frase de toda a viagem

Senhorita, seu biquíni desamarrou”.

Natal

Natal foi uma grande surpresa. Uma ótima surpresa. Achei a cidade ampla e limpa, pelo menos nos lugares por onde passei. Carlos, quase nativo, nos levou para almoçar no Mangai, um self service espetacular com comidas típicas, e nem tão típicas assim. Eu, Flávia, Darlinha e Karine saímos de lá rolando, de tanto comer. Parada obrigatória para quem for a Natal.


Ps.Não deixe de pedir um Zoião de sobremesa.