Vitória = Núcleo de Novela

Eu vivo falando que o ES é igualzinho a núcleo de novela: sempre vai ter alguém conhecido que estudou com Fulano, ou é vizinho de Beltrano, ou ainda cunhado de Sicrano. Não adianta. Não dá pra passar totalmente anônimo aqui. E ontem tive mais uma prova disso. Fui num churrasco de aniversário do Fábio, marido da minha amiga de Brasília, próximo à Pedra da Cebola. Lá encontrei uma cunhada deles, que já conheço há muitos anos, mas nunca tínhamos conversado antes. No meio da rodinha, comecei a contar de Noronha. Noronha isso, Noronha aquilo.


Ela: Você foi quando?


Eu: 1 semana antes do carnaval.


Ela: Jura? 1 amigo foi na mesma época!


Eu: Fiquei lá até quinta, depois fui pra Natal, depois pra Olinda.


Ela: Gente, mas a história é igual! Ele até falou do tal do swell, também!


Eu: Nossa, então deve ter sido na mesma época.


Ela: Qual o nome do seu amigo?


Eu: Carlos.


Ela: Carlos Holzz?


O próprio. Eles se conhecem há 1 século e não sabíamos dessa ligação. Ao mesmo tempo que dá uma sensação de aproximação, além de aumentar a roda de amigos em comum, rola um certo desconforto de você fazer alguma merda e o negócio se espalhar mais rápido do que se fosse capa de Contigo.


Mas isso não acontece apenas com quem mora em Vitória. Para fazer parte do núcleo, basta um mínimo contato com alguém daqui. Descobri que a Cláudia é parente da Nana, que conheci numa reunião de despedida de uma amiga que foi pra Santos.


Outro caso impressionante foi o Marco, um cara de Brasília que conheci na net há uns 8 anos, acho. Eu ia para lá e a Sabrina não é muito de sair. Logicamente, tratei de fazer amizades meses antes de viajar. Há uma semana da partida, a descoberta: a irmã dele já tinha estudado com essa minha amiga.


Já aconteceu tanta coincidência, tanta, que nem tenho coragem de contar aqui. Abafa. Confesso que me dá medo quando alguém começa a fazer muitas ligações. Podem ser ligações perigosas.

8 comentários:

Amélie™ disse...

O mundo é cheio dessas pequenas 'coincidências'. Por isso, temos que tomar cuidado o tempo todo com o que fazemos, com nossa reputação. Por incrível que pareça, geralmente é aquilo que você quer que ninguém nunca fique sabendo, é o que alguém presenciou, e no momento mais inoportuno vai expor... aiii... rs.
Bj

Paula disse...

Olha, Anna, eu faço parte de uma comunidade no Orkut que se chama: BH tem 3 pessoas: eu, você e alguém que a gente conhece!

Por aqui é a mesma coisa...
Beijos

Kakaya disse...

Menina, segunda a noite num papo com uma amiga, ela bem me contou que falando mal do ex marido numa mesa, a namorada do amigo da amiga era amiga da ex do ex marido!!!Entendeu???rsrsr!

É um ovo mesmo!

Manusen disse...

hahaha
eu sou de vix tb, mas no momento moro em Salvador - BA

é como diz a história...Vitória tem 3 pessoas: eu, você e alguém que a gente conhece :P

Leandro disse...

Roça...

Cláudia disse...

Anna, a mãe da Nana e a minha mãe são irmãs!
E se eu te contar que encontrei, assim, por acaso, um primo de lébous graus, em ROMA? Ele viu meu sobrenome, disse que era o mesmo da avó dele, fui perguntar pra minha mãe e a vó do cara era tia avó dela, pode isso?
E seu eu contar também que eu trabalhava aqui em SP com um cara que era sobrinho de um nativo de JOÃO NEIVA, aquela metrópole do interior do ES, e que esse cara tinha sido noivo de uma tia da minha mãe?????

Mundinho, menina, a gente não pode fazer nada de errado nessa vida que vai ter sempre alguém pra nos dedar!

beijo

carlosholzarquiteto disse...

o Carlos sou eu!!!!!!!!!!!!

Gabriela disse...

eu que o diga que VIX é um ovo.......sou a rainha das coincidências.....nem vou comentar............hahahahahahaha