Trilha sonora às avessas

Ela não queria admitir. Depois de tanto tempo, o final de semana tinha sido meio morno sentimentalmente, apesar de quase terem colocado fogo nos lençóis. Mas ele não era só um pau para ela. Os abraços não eram longos. Não rolou conchinha. Não se davam as mãos em todos os lugares. Os banhos não eram juntos. E o primeiro deles aconteceu depois da primeira transa. Ele foi jogar fora a camisinha e logo ela ouviu o chuveiro. Foi uma ducha de água fria. Ela tentou enxergar o que estava dando errado e só descobriu quando começaram a última transa do reencontro. Ele não tinha estado todo ali, completamente entregue, como ela. Em alguns momentos parecia que a distância era proposital. Ela não queria um pedido de namoro. Só não queria ter que pedir que ele a segurasse por mais tempo e a apertasse em seus braços.

No momento em que se engoliam, ela foi surpreendida por este filminho que desfocou a boca carnuda masculina e os olhinhos pequenos. Ela se lembrou da música que ele comentou que adorava e cantou no carro. Era “Boa Sorte”, a última da Vanessa da Mata. O problema é que ela preferia “Se quiser eu vou te dar um amor, desses de cinema...”. O coração dela apertou e aconteceu algo que ela nunca pensou que fosse acontecer quando estivesse enroscada nele. Ela brochou.

14 comentários:

Plinio Uhl disse...

fingir, ok.
ser frígida, ok.
mas brochar é tão masculino, hehe.

mto bom.
bjuz

Dedinhos Nervosos disse...

Mas Plínio, mulher tb brocha, não sabia? rs

Lê... disse...

Ah,como é complicado não falar a mesma lingua,não?!Fica sempre uma sensação de desencontro...de vazio, e um cheiro de insatisfação no ar...

Tbm acho que Mulher brocha,e da pior maneira possivel:sentimentalmente!!E aí,ja era...

beijo.

doloridocolorido disse...

bem,eu tb "brocharia"

Karlinha disse...

Fui eu que te contei essa história?rsrsrsrs!

Re disse...

Sabe Dedinhos,
As melhores histórias de amor, as que mais nos marcam, são as não correspondidas por inteiro. Se doar é para quem sabe... Infelizmente, muitos não aprenderam isso, e depois de anos e anos aparecem com a cara lavada e dizem a triste frase: Devia ter te dado mais valor...
É. Procure o que te dê um amor de cinema, se não achar, continue procurando, pois as vezes eles demoram para aparecer, mas aparecem. Juro!
beijos de sua amiga que acredita no amor, sempre.
Re

Evandro Varella disse...

Que triste...
Mas a vida é assim mesmo cheia de encontros e desencontros, e o que fazemos dela é o que realmente importa.
Abraços
Vavá

Paula disse...

É, e o pior ou melhor é que no nosso caso, quando brochamos não é tão visível!

beijos

p.s. e curta a madonna por mim!

Quase Trinta disse...

Talvez melhor assim... ela parte pra outra e procura alguém q esteja por inteiro

Srta. Rosa disse...

Nossa que eu já vivi uma coisa MUITOOOOO parecida há um tempinho atrás. Amei o texto, menina. Poético, objetivo...

Beijo! Que venham muitos que mereçam amores de cinema. No creo en ellos, pero que los hay... rsrs.

moni disse...

kkkk essa foi boa! eu tbm pbrixaria! mulher broxa sim pow... beijinhosss

P.Winter disse...

Oi,querida

Espero que não seja biográfico e sim ficção.

Quanto ao "brochar",vejo como perda de desejo...uma parada sinistra!!rs

beijão

Helena Cortez disse...

Ainda bem que brochou. Gente pela metade é uma bosta.

Patrycia. Muito prazer! disse...

Vixe! Isso aconteceu comigo há uns meses e não pensei duas vezes: parei na hora e chamei para ir embora.

Fingir?? Eu não! Faça por onde me ter por inteira ou vai embora!