A montanha russa das ladeiras

Só fui começar a curtir Olinda no domingo e não queria perder mais tempo. O problema foi liberar a Mulher Maravilha que habita em mim no bloco “Enquanto Isso, na Sala de Justiça...”. Eu olhava para aquela roupa e não conseguia me ver saracotiando dentro dela. O meu alívio foi ter a Flávia como irmã. Sim, amiga Flávia também foi de Mulher Maravilha. Na verdade, ela me ligou da loja e eu só faltei falar: “Se você não comprar nada, te mato!” Adorei saber que íamos idênticas. Praticamente irmãs siamesas. Depois relaxamos e aproveitamos horrores cada minuto de Diana. As duas completamente ridículas e felizes. Claro que o Joninho também ajudou nesse processo. Que Joninho? O Walker. Outros amigos preferiram o Pau do Índio. É a valorização do produto nacional, gente. Essa bebida de nome tão singelo é uma mistura que nem quero imaginar do que se trata. Um português que estava no meu albergue tomou e ficou alucinado. O homem pulava, corria, gargalhava, se jogava na piscina, pegava a comida dos outros, se jogava na piscina de novo. Fiquei com mais medo dele do que do Pau. Do Índio.

Voltando ao assunto fantasia, os outros amigos de viagem, Carlos e Cássio, foram deles mesmo. Não quiseram saber nem de uma mascarazinha. Nada. Eu acho muito pior. A amiga Karine foi mais ou menos fantasiada. Ela tratou de comprar um chapéu de pirata, botou um pretinho básico e arrasou. E olha que achou até um Jack Sparrow igualzinho ao do cinema. O cara estava muito, muito parecido. Impressionante.

A outra fantasia eu usei na terça, fui de Melindrosa. Como o calor estava insuportável, fiz um par de tranças e lá fui eu, toda brejeira, ao lado da Karine – de abelha – da Flávia, do Carlos, da Clarissa e da Sim (carioca e chinesa, vizinhas de quarto no albergue), sem fantasias.

Foram tardes sensacionais, com amigos impagáveis e momentos inesquecíveis. Mais, eu não conto. Só deixo algumas fotos, que vou postando aos poucos. Afinal, são mais de 600 e estou escolhendo a dedo.

Ps. Na 4ª feira fui com Amigo Carlos, Flávia, Karine e Cássio para Maragogi, Porto de Galinhas e Recife. Aguarde mais histórias.

3 comentários:

Karine disse...

Pô... virei abelha????? Eu era uma joaninha!!! Tá bom, tá bom, borboleta pode até ser, mas abelha??? ehehe

Anônimo disse...

ai, que lindo!!! estou me sentindo em olinda de novo!!! amo!!! annokas, você arrasa!!!
beijos!!!
amiga flávia.

lualil disse...

Nada como o pau do indio ou o joninho pra nos dar mais ânimo heim?!
ahahahaha...
beijos