Mas eu me mordo de ciúmes

5ª feira passada eu vi um dos melhores episódios da Grande Família: O Rei e Eu, com o Roberto Carlos. A história girou em torno do concurso que a Nenê ganhou para ir ao show e ainda entrar no camarim do Roberto. Mas nem tudo foi lindo. O prêmio só dava direito a um convite, o que deixou Lineu morto de ciúmes. Quando Mendonça quis saber o motivo de tanta dor de cotovelo, Lineu desabafou. Revelou que Nenê sempre disse que o único homem que ela trocaria o Lineuzinho era o Roberto Carlos. Com o tato que lhe é peculiar, Mendonça fala algo como: “eu te entendo, Lineuzinho. Eu também já fui corno”.

Vendo de fora, a situação de sentir ciúmes de um artista parece totalmente mentirosa, mas não é. Eu vi o programa com a minha avó e nós rolamos de tanto rir porque meu avô morria de ciúmes do Roberto Carlos e do Sílvio Santos. Juro! Quando o Roberto estava em cena, ele saía da sala e rosnava: “Vai ficar aí, vendo a velha?”. Vovó fingia que nem era com ela. Se isso acontecia de noite, quando ela entrava no quarto, ele estava deitado de costas para ela. Genioso.

Imagina então o tormento de toda semana ter um domingo? O dia em que o Silvio reina na TV? Lembro que era o dia em que ficava bem emburrado. Só melhorava mais o ânimo quando o Fluminense ganhava algum jogo. E ficava ainda mais contente quando era contra o meu Flamengo. E vovó lá, cantando: “Silvio Santos vem aí, lará, lará, lará! O Silvio Santos fala, ou não fala?”. Clássico.

Depois de um tempo que vovô faleceu, Roberto Carlos perdeu a esposa e ficou um longo período sem se apresentar. Quando voltou, fez o 1º show aqui no ES e no dia do aniversário da minha avó, 10 de janeiro. Naquela época eu estava vendendo o anel (ops, pegou mal) para comprar a pulseira, mas nunca deixaria Dona Linda de fora do babado. Resultado: rapei a poupança e comprei 2 ingressos de cadeira (porque eu sou pobre, mas sou metida) para mamãe levá-la. Elas foram e nada paga a felicidade que vi estampada nas carinhas delas quando saíram. Sim, porque eu fui levar e fui buscar. Se sorrissem mais a cara partia ao meio. Depois desse show, elas foram a outro há uns 2 anos. Nesse, até eu fui e ainda peguei uma rosa vermelha.

Tô lembrando quando o Silvio foi mantido refém em 2001. Desconfio que as coisas para o lado dele só não federam graças a vovó, que rezou até pra santo que nunca nem tinha ouvido falar. Agora só falta arrumar uma caravana para vovó conhecer de perto o apresentador. Mas pensando bem, seria uma caravana da coragem, né? Melhor, não.

Ps. O episódio está abaixo. Vale muito a pena assistir.

6 comentários:

Leandro disse...

Ano passado ganhei dois ingressos pro especial de fim de ano do RC na Arena HSBC aqui no RJ. Mandei minha sogra e a mãe dela pro show. A cara delas, ao sair (pq eu tb fui levar e buscar) era igual à cara da sua mãe e da sua avó... Li o seu relato e lembrei exatamente daquele dia. Chovia que Deus dava, mas elas não estavam nem aí...

Renatinha disse...

Foi incrível mesmo!!! Ele é o Rei.
Minha mãe vai sábado no Maracanã ver o show de 50 anos de carreira, e ela me disse:
- Filha, que roupa eu vou?
- Mãe, vai de calça jeanse e tênis, é no Maracanã...
- Ah! Jura? Queria ir com um vestido como da Nenê... De paetê azul... rsrsrsr
beijos
Re

PS Dedinhs, posso confessar? O maior sonho da minha vida é ir na caravana Silvio Santos. Posso agitar uma? Vamos? Jura? Jura?

Dedinhos Nervosos disse...

Renatinha, só se for na caravana de Osasco! hahaha Vovó vive falando que vai comprar os produtos Jequity para ser sorteada. Mas disso que eu é que vou representá-la! hahaah
Beijos!

Paula disse...

Eu adoro a Grande Família, Silvio Santos (ele é o cara, né?) e o rei, Roberto (mas até a fase do caminhoneiro). Aprendi a gostar das músicas dele com o meu pai...

Fico imaginando a felicidade da sua avó nesse show!

beijos

Cláudia disse...

Meninas
incluam minha mae e a madrinha da minha irmã - que mora em vix - na caravana do silvio santos.
A gente leva a renca, fica tomando alguma coisinha num barzinho por perto, e busca no final.
Vão se divertir horrores!
beijo

Let´s disse...

Menina, eu chorei de rir com o episódio. E de novo sorri ao ler o seu post. Eu estava na FLIP no dia em que o Chico Buarque iria se apresentar (um dia depois do episódio do Roberto Carlos)e me senti tal qual a Nenê, só faltou o vestido de paetê. Chico para mim é como o Roberto para a Nenê. E pensar que a Nenê (na vida real) já deu muitos beijos no Chico...
Beijos!